Jornal do CAECO

Archive for the ‘Do estrangeiro…’ Category

*DIFUNDIR> Propuestas asamblea acampada Sol> Lo que pide Sol*

el Viernes, 20 de mayo de 2011 a las 16:14

Hola amig@s, estas son las propuestas aprobadas en la
asamblea de la protesta de Sol. Dificilmente se oirán en los medios y la
página web no para de caerse así que está bien difundirlas por email.

Abrazos!

Haced un esfuerzo para leerlas!!

Estas son algunas de las medidas que, en cuanto ciudadanos, consideramos
esenciales para la regeneración de nuestro sistema político y económico.
¡*Opina sobre las mismas y propón las tuyas en el foro*!

1. ELIMINACIÓN DE LOS PRIVILEGIOS DE LA CLASE POLÍTICA:

o   Control estricto del absentismo de los cargos electos en sus
respectivos puestos. Sanciones específicas por dejación de funciones.

o   Supresión de los privilegios en el pago de impuestos, los años de
cotización y el monto de las pensiones. Equiparación del salario de los
representantes electos al salario medio español más las dietas
necesarias indispensables para el ejercicio de sus funciones.

o   Eliminación de la inmunidad asociada al cargo. Imprescriptibilidad
de los delitos de corrupción.

o   Publicación obligatoria del patrimonio de todos los cargos públicos.

o   Reducción de los cargos de libre designación.

2. CONTRA EL DESEMPLEO:

o   Reparto del trabajo fomentando las reducciones de jornada y la
conciliación laboral hasta acabar con el desempleo estructural (es
decir, hasta que el desempleo descienda por debajo del 5%).

o   Jubilación a los 65 y ningún aumento de la edad de jubilación hasta
acabar con el desempleo juvenil.

o   Bonificaciones para aquellas empresas con menos de un 10% de
contratación temporal.

o   Seguridad en el empleo: imposibilidad de despidos colectivos o por
causas objetivas en las grandes empresas mientras haya beneficios,
fiscalización a las grandes empresas para asegurar que no cubren con
trabajadores temporales empleos que podrían ser fijos.

o   Restablecimiento del subsidio de 426EUR para todos los parados de
larga duración.

3. DERECHO A LA VIVIENDA:

o   Expropiación por el Estado de las viviendas construidas en stock que
no se han vendido para colocarlas en el mercado en régimen de alquiler
protegido.

o   Ayudas al alquiler para jóvenes y todas aquellas personas de bajos
recursos.

o   Que se permita la dación en pago de las viviendas para cancelar las
hipotecas.

4. SERVICIOS PÚBLICOS DE CALIDAD:

o   Supresión de gastos inútiles en las Administraciones Públicas y
establecimiento de un control independiente de presupuestos y gastos.

o   Contratación de personal sanitario hasta acabar con las listas de
espera.

o   Contratación de profesorado para garantizar la ratio de alumnos por
aula, los grupos de desdoble y los grupos de apoyo.

o   Reducción del coste de matrícula en toda la educación universitaria,
equiparando el precio de los posgrados al de los grados.

o   Financiación pública de la investigación para garantizar su
independencia.

o   Transporte público barato, de calidad y ecológicamente sostenible:
restablecimiento de los trenes que se están sustituyendo por el AVE con
los precios originarios, abaratamiento de los abonos de transporte,
restricción del tráfico rodado privado en el centro de las ciudades,
construcción de carriles bici.

o   Recursos sociales locales: aplicación efectiva de la Ley de
Dependencia, redes de cuidadores locales municipales, servicios locales
de mediación y tutelaje.

5. CONTROL DE LAS ENTIDADES BANCARIAS:

o   Prohibición de cualquier tipo de rescate o inyección de capital a
entidades bancarias: aquellas entidades en dificultades deben quebrar o
ser nacionalizadas para constituir una banca pública bajo control social.

o   Elevación de los impuestos a la banca de manera directamente
proporcional al gasto social ocasionado por la crisis generada por su
mala gestión.

o   Devolución a las arcas públicas por parte de los bancos de todo
capital público aportado.

o   Prohibición de inversión de bancos españoles en paraísos fiscales.

o   Regulación de sanciones a los movimientos especulativos y a la mala
praxis bancaria.

6. FISCALIDAD:

o   Aumento del tipo impositivo a las grandes fortunas y entidades
bancarias.

o   Eliminación de las SICAV.

o   Recuperación del Impuesto sobre el Patrimonio.

o   Control real y efectivo del fraude fiscal y de la fuga de capitales
a paraísos fiscales.

o   Promoción a nivel internacional de la adopción de una tasa a las
transacciones internacionales (tasa Tobin).

7. LIBERTADES CIUDADANAS Y DEMOCRACIA PARTICIPATIVA:

o   No al control de internet. Abolición de la Ley Sinde.

o   Protección de la libertad de información y del periodismo de
investigación.

o   Referéndums obligatorios y vinculantes para las cuestiones de gran
calado que modifican las condiciones de vida de los ciudadanos.

o   Referéndums obligatorios para toda introducción de medidas dictadas
desde la Unión Europea.

o   Modificación de la Ley Electoral para garantizar un sistema
auténticamente representativo y proporcional que no discrimine a ninguna
fuerza política ni voluntad social, donde el voto en blanco y el voto
nulo también tengan su representación en el legislativo.

o   Independencia del Poder Judicial: reforma de la figura del
Ministerio Fiscal para garantizar su independencia, no al nombramiento
de miembros del Tribunal Constitucional y del Consejo General del Poder
Judicial por parte del Poder Ejecutivo.

o   Establecimiento de mecanismos efectivos que garanticen la democracia
interna en los partidos políticos.

8. REDUCCIÓN DEL GASTO MILITAR

Anúncios

Sent: Saturday, May 08, 2010 2:19 AM
Subject: TS – Puerto Rico

El colega puertorriqueño, Jesús Cabrera, nos da cuenta de la delicada situación que se está viviendo en ese hermano país caribeño, y de la participación de la Escuela de Trabajo Social para enfrentar los intentos de desmantelar la Universidad.

Saludos a todas las colegas desde Puerto Rico. Deseo por este medio, informales y denunciar la intención de la actual administración colonial de Puerto Rico de desmantelar la Universidad pública haciendo una serie de recortes presupuestarios limitando así el servicio de excelencia académica que por más de 100 años ha ofrecido la Universidad de Puerto Rico. Nuevamente somos los universitarios, unos de los sectores más afectados por las políticas neoliberales para favorecer a los ricos y ricas de nuestra Isla. Mientras un grupito se beneficia del desmantelamiento de la universidad, la clase trabajadora y pobre del país se queda sin la única institución que les ha dado oportunidades. Como siempre, los estudiantes universitarios no se han quedado callados y en este momento llevamos 15 días de huelga indefinida, nuevamente la comunidad universitaria (empleados, estudiantes y profesores) asumen la responsabilidad histórica de defender a las grandes mayorías. La huelga ya es única, puesto que ha tenido el apoyo de madres, padres, ex-alumnos, sindicatos entre otros. Por cierto, a diferencia de luchas anteriores en esta ocasión los estudiantes tomaron la universidad cerrando los portones y pernoctando dentro de las inmediaciones universitarias, el gobernador recientemente amenazó con desalojarlos a la fuerza por lo que la situación está en gran tensión en estos momentos.

Lo más importante es el papel protagónico que ha jugado la Escuela de Trabajo Social Beatriz Lasalle. Tanto los profesores como las y los estudiantes y sus ex-alumnos han estado dando cátedra de lo que es un posicionameinto ético-político. Desde acá les solicitamos todo el apoyo que nos puedan ofrecer, continuando con la denuncia y propagando nuestra lucha…Hay que recordar que esta avanzada neoliberal es contra todas las universidades públicas, así quedó demostrado recientemente con la entrada de la policía a la Universidad de Costa Rica.

Les envío varias direcciónes para que estén al tanto de la situación. Además una dirección de Radio Huelga, creación de los estudiantes y que transmite directamente desde dentro de la Universidad…Un abrazo fraternal y solidario desde el Caribe Antillano…

Att. Jesús M. Cabrera Cirilo
jesus cabrera <libertadboricua@gmail.com>

PS – Aquí pueden ver todo lo relacionado con la huelga y los reclamos de los estudiantes…también pueden dejar mensajes de apoyo, por cierto muy necesarios en este momento…
http://indymediapr.org/  

Aquí pueden escuchar Radio Huelga, se lo recomiendo, pues ponen muy buena música…
www.ustream.tv/channel/radiohuelga

Diariamente, ou semanalmente no caso da Veja, vê-se na Globo reportagens sobre a Venezuela. Porém, nunca se fala dos avanços que o governo revolucionário tem conseguido. Somente preocupam-se em tentar criar uma imagem de um louco ditador para o Chávez, coisa que é ridicularizada e motivo de piada para os venezuelanos. Baseado em 75 dias vivendo na Venezuela na Capital Caracas e em Barinas, estado tipicamente agrícola, e nos dados da prestação de contas anual do presidente, segundo previsto por lei na constituição de 1999, do ano de 2008.

Na contramão de quase todos os países da América do Sul, no final dos anos 1990, o governo venezuelano já se opunha às reformas neoliberais ditadas pelo FMI, praticando políticas keynesianas de forte intervenção e gastos estatais.

Com essa política, ao contrário dos outros países do continente que viam seu PIB crescer timidamente, a Venezuela viu o seu PIB dobrar em 10 anos. Isso não só pela iniciativa pública, mas também pela iniciativa privada (mais de pequenos produtores do que de grandes) através do aumento e da facilidade de acesso ao crédito.

Muitos dizem que fazer o que o Governo Chavez tem feito é facil com a riqueza petroleira, já que a Venezuela tem hoje a maior reserva descoberta do mundo. Porém, em mais de 50 anos, os governos de direita nunca o fizeram e todos sabem o porquê.

Foi somente após a estatização de 100% da PDVSA (Petróleos de Venezuela S.A.) em 2003 (após o paro petroleiro de dezembro de 2002) que o governo tratou de transferir a riqueza gerada pelo petróleo, não para o bolso de alguns poucos empresários venezuelanos e extrangeiros, como se fazia antes, mas sim para a população. Para essa transferência criou-se um Fundo de Desenvolvimento Nacional, ao qual até 2008 a PDVSA já havia depositado quase U$22.000.000.000. Isso mesmo, quase 22 bilhões de dólares.

Os bilhões de dólares desse fundo não foram somente para crédito, mas principalmente para programas de saúde, educação, alimentação, segurança, etc., o que acabou consolidando o sucesso da Quinta República e do Governo Revolucionário.

De um IDH* (Índice de Desenvolvimento Humano) de 0,64 em 1998, a Venezuela passou para um IDH de 0,84 em 2008. Isso porque houve avanço em todas as áreas em que divide-se a pesquisa do IDH: saúde, educação e renda.

A expectativa de vida aumentou em um ano e meio, a mortalidade infantil caiu de 21,4 por mil nascidos vivos para 13,7, porque houve melhoria na cesta de alimentos da e os programas de saúde, como o Bario Adentro que já atingia em 2008 a 88,9% da população, têm tido êxito.

A escolaridade que em 1999 era de 85% passou para 93,6% em 2008. O acesso ao nível secundário e universitário que antes era de 21%, aumentou para 35,9%. O analfabetismo, grande conquista anunciada com orgulho pelos venezuelanos, caiu para 0.4%.

No governo passado, os miseráveis, que são aqueles que vivem abaixo da linha de pobreza, chegavam ao número surpreendente de 42% de toda a população. Já aqueles que são considerados pobres, representavam 75,5% de toda a população venezuelana. Após 10 anos de governo, Chávez reduziu essas quantias para 9,1% e 30%, respectivamente. O que não significa que o governo esteja conformado, já que o objetivo é levar esses números a zero. Mas o governo está conciente dos avanços.

O índice GINI**, que avalia a distribuição de renda foi de 0,4865 em 1998 a 0,4099 em 2008, tornando-se a Venezuela o país menos desigual da América do Sul. Para se ter idéia, o Brasil, um dos países mais desiguais do mundo, possui índice GINI de 0,602.

Já o desemprego, que antes era de 15,3%, passou em 2008 para 6,8%.

Apesar de todos esses números favoráveis e de dar inveja a qualquer país desenvolvido, o Governo Chávez não passou somente por momentos bons.

No ano de 2002, mais precisamente em 11 de abril de 2002, houve uma tentativa de golpe encabeçada por alguns militares, políticos de oposição, grandes empresários e pelos principais meios de comunicação privados. Após 3 dias de intensas manifestações populares em toda Venezuela e com apoio de boa parte do exército, Chávez volta da prisão, aonde o tinham colocado, no dia 13 de abril e retoma o seu cargo, constitucionalmente garantido, de presidente da República Bolivariana da Venezuela (esse fato histórico merece destaque por mostrar o que os meios de comunicação privados defendem e do que eles são capazes – assistir o documentário “A Revolução não será televisionada” além de muitos outros que explicam o que se passou – e por marcar a história venezuelana e dar origem a um dito “todo 11 tem o seu 13” que simboliza que o povo venezuelano nunca mais abaixará a cabeça diante da injustiça e da exploração).

Insatisfeitos com o fracasso do golpe de abril, a oposição e os meios de comunicação organizaram em dezembro do mesmo ano um boicote petroleiro e de diversos setores economicos (alimentação, comércio, combustíveis, etc.) conhecido como “Paro Petroleiro” (assistir o documentário “Jesus y él Viejo”). Porém a compreensão da população de que aquele momento de escasses de produtos era um problema de disputa política e não de incompetência do governo e o esforço dos trabalhadores que estavam ao lado do governo fez com que o governo resistisse a um nível de 19,2% de desemprego em 2003 e a uma alta inflação, levando o PIB a crescer 18,3% em 2004 durante a recuperação da economia do país.

Em 2008 a inflação ainda era muito alta, cerca de 31%. Porém, o diagnóstico da inflação não é o que poderia chegar um economista em uma análise “puramente macroeconômica” (se é que isso seja possível) que levaria a crer que o problema tem origem no aumento de demanda pelo crescimento econômico. A inflação na Venezuela é essencialmente política e se dá por um forte boicote e especulação do setor privado, em resposta ao congelamento de preços e ao alto controle dos reguladores estatais, que somado ao aumento do salário real, reduziu a taxa de lucro dos grandes empresários. Vale destacar aqui que a inflação não atingiu alguns alimentos que compõe a cesta básica, já que o governo controla hoje boa parte do setor de destribuição por mercados estatais e pela forte regulação e punição daqueles que desrespeitam a lei.

A sequência de ataques do setor privado fez com que o governo avancasse no processo revolucionário até mesmo como forma de precaução. A necessidade da segurança alimentar fez com que o governo se apropriasse de grande parte do setor de distribuição de alimentos (como pela estatização dos mercados de uma grande rede transnacional e pela criação de muitos MERCALs – mercado popular) e também de produção, além de acelerar o processo de reforma agrária e incentivar a pequena produção de alimentos.

Até 2008 o governo havia recuperado 2,134 milhões de hequitares, aumentado a área de colheira em 45%, e conseguido autosuficiência em arroz, milho, café e carne suina.

Além do avanço para a soberania alimentar, o governo adotou, através de parceria com diversos países e por uma política de substituição de importações, um projeto de industrialização, para enfim tornar-se independente de importações e de uma economia essencialmente petroleira como tem sido há muito tempo.

Após esses 12 anos de intenso crescimento econômico a Venezuela vive hoje um problema de gargalo para o crescimento. Por falta de planejamento e por um período longo de seca (a maior fonte energética do país hoje são as hidroelétricas) o país enfrenta hoje uma crise energética que tem demandado do governo uma forte política de incentivo a economia de energia nas residências e de imposição de cootas para muitas empresas. Porém, disso também se tira uma lição: parece-me esse um momento importante para a população venezuelana repensar o seu padrão de consumo baseado no padrão estadounidense há décadas.

O processo revolucionário e a necessidade de luta constante contra os velhos donos do poder parecem ser lições diárias para o povo venezuelano, que demonstra-se diariamente disposto a aprendê-las.

 Theo, o espírito errante do CAECO

www.embuscadaamericalatina.blogspot.com

*segundo PNUD, quanto mais próximo de 1 mais desenvolvido é o país.
**quanto mais próximo de 1 mais desigual é o país.

de Theo Martins Lubliner

“… Já se disse que Cuba não poderia socializar mais que a miséria. Nesses últimos 20 anos Cuba fez mais que isso, o que exige que se retome a crítica desse julgamento cruel. Chega-se onde quando se parte da “socialização da miséria”? Os inimigos da revolução cubana prestam-lhe um serviço, certamente sem o querer!” Florestan Fernandes, Da Guerrilha ao Socialismo: a Revolução Cubana, 1979*.

Após passar quase um mês em Cuba, conhecer mais de perto a revolução e o socialismo cubano e ser encorajado pelo texto Sobre democracias & hipocrisias**, publicado no jornal Brasil de Fato, de Luiz Ricardo Leitão, e pelo livro de Florestan Fernandes “Da Guerrilha ao Socialismo: a Revolução Cubana”, decidi escrever esse texto para aquelas pessoas que só ouviram falar da revoluo cubana, para alguns de seus críticos, para quem tenta encaixar o socialismo cubano em alguma teoria pré-fabricada e para os seus inimigos.

Ao analisar a Revolução Cubana, muitas pessoas tendem a encaixá-la em alguma teoria “pré-fabricada”, escrita, seja anteriormente ou posteriormente à revolução, na Europa ou em qualquer parte do mundo. Muitos o fazem para tentar desqualificar o seu triunfo, outros também, mas sem o saber. Esses, ao fazê-lo, percorrem um caminho totalmente absurdo de investigação e compreensão da história. Ao invéz de partir dos fatos históricos para analisar a realidade e ver de que forma a teoria influenciou a história e de que forma a história modificou a teoria, tentam encaixar a revolução e o socialismo cubano em alguma teoria, como se coloca um parafuso em um buraco de um prego menor. A força.

Para aqueles que imaginam estar sendo marxistas ao fazê-lo, ele mesmo, o Marx, já havia alertado de que o socialismo não é uma teoria, uma lei ou um decreto, mas sim um processo de transformação que se dá pelas movimentações da sociedade. Claro que não se deve esquecer das teorias ou de processos históricos passados. O que não se deve fazer é tratá-los como verdade absoluta em qualquer espaço e tempo.

Enquanto grande parte da esquerda mundial afirmava que movimentos guerrilheiros de vanguarda não poderiam gerar as condições subjetivas para uma revolução socialista e que, portanto, não poderiam dar certo, lá estava o “louco” Fidel Castro e seu exército guerrilheiro lutando nas matas cubanas. Com apoio de movimentos urbanos, é verdade. Mas encabeçando o processo.

Enquanto dizia-se, baseado nos escritos de Marx, através de uma repetição totalemente alienada e sem comprender a que tempo e espaço a que ele se referia, de que os camponeses eram uma classe conservadora, pois o seu objetivo é lutar pela propriedade privada, lá estava Fidel e o exército guerrilheiro aliando-se aos camponeses e ganhando seu apoio para tomar o poder e fazer a revolução, assim como descreve Florestan:

“…se tal evolução (da coletivização da produção agrária) não fosse possível, o desenvolvimento das forças produtivas e a estabilização do socialismo em Cuba teria sido muito mais difícil (ou, mesmo, improvável). Portanto, por trás de uma intensa, contínua e crescente estatização se achava a força viva da revolução, a “classe revolucionária cubana”, os trabalhadores agrícolas.”

Camponeses! Muitos já haviam se tornado trabalhadores assalariados e que naquele momento ainda reivindicavam a propriedade privada, mas que a partir da revolução incorporaram-se à luta pela propriedade coletiva. Foi, e é, através das cooperativas agrícolas que a revolução cubana sustentou-se e triunfa.

Enquanto diziam que a revolução socialista em países de economia tipicamente agrícola necessitaria de uma intensa industrialização para se consolidar, lá estava o governo cubano sustentando o desenvolvimento econômico com a produção açucareira.

Enquanto disseram que o socialismo cubano não suportaria a pressão do embargo econômico dos EUA com o fim da URSS, lá estava a sociedade cubana, já muito mais avançada em seu nível de consciência do que qualquer sociedade no mundo, suportanto as dificuldades enquanto o governo cubano incentivava o turismo tipicamente capitalista (mas com monopólio estatal) para garantir a entrada de dólares (na época a única moeda de transações internacionais) e as condições materiais mínimas para dar continuidade à revolução.

“…Passaram-se quase vinte anos – e até os oráculos falharam. Os cubanos conhecem muito bem seus problemas internos, ao contrário do que supõem os inimigos, mas preservam, como raros povos no mundo, o sagrado direito da autodeterminação. E, politizados e instruídos, têm acompanhado com muita atenção as didáticas lições que o mundo pós-moderno lhes enseja.” Luiz Ricardo Leitão, Sobre democracias & hipocrisias, 2010.

Enquanto muitos dizem que em Cuba não existe socilismo, uma vez que só se pode existir socialismo quando ele for hegemônico em termos mundiais, na sociedade cubana não existe a classe burguesa, ou seja, os meios de produção estão concentrados no Estado; a economia é planificada e os recursos são destinados ao bem-estar da população; tod@s têm aceso à saúde e à educação (até o nível universitário); não há fome, miséria e nem pobreza; os deputados são trabalhadores; não há insegurança e os índices de violência são baixíssimos.

Mais do que toda essa superação de muitas das questões materiais, @s cuban@s têm a consciência. A consciência do que se passa em Cuba e do que se passa no Mundo.

“…Os caminhos já foram traçados e refeitos quatro ou cinco vezes e é quase certo que, no futuro, o mesmo se repetirá, cada vez mais que o país atingir o topo de uma nova virada. Os recuos, os tateios e os desvios se farão, não obstante, com um largo acúmulo de vantagens e constante ganho de terreno. Ao que parece, não existe o risco de um paso a frente e dois para trás.” FF, 1979.

Após 31 anos do texto de Florestan Fernandes e 51 anos da Revolução Cubana, eu diria ao professor, se isso fosse possível, que mesmo sendo necessário dar um ou dois passos atrás, como o caso do turismo e das parcerias em setores estratégicos com a iniciativa privada extrangeira, parece ainda não haver risco. O que são 2 passos atrás para quem já deu mais de 50 a frente?

Assim como Leitão, tenho certeza que @s cuban@s possuem plena consciência do que se passa e acredito que ainda surpeenderão o mundo mais uma vez enquanto especula-se sobre o seu futuro.

 

* Da Guerrilha ao Socialismo: a Revolução Cubana, Florestan Fernandes, 1979, Coleção Assim Lutam os Povos, Editora Expressão Popular, 2007.

** Sobre democracias & hipocrisias, Luiz Ricardo Leitão, Brasil de Fato, 16/03/2010.

 Publicado em: http://www.embuscadaamericalatina.blogspot.com/

Escrevo essa carta por querer compartilhar a importância que considero ter o CAECO, porque estou sempre preocupado com o que se passa por aí e porque  ando meio inspirado para escrever (acho que è o espírito revolcuinário aqui da Venezuela).

Quero começá-la escrevendo o porquê em 2008, já no meu quarto ano de curso, resolvi voltar a disputar uma eleição do centro acadêmico, depois de já tê-lo feito em 2006.

Tudo começou em 2007 em que após uma gestão do CAECO marcada por muita inexperiência e por um grande desgaste após a organização do Encontro Nacional dos Estudantes de Economia (ENECO) em Campinas, uma chapa de direita ganhou as eleições para 2008 com uma campanha superficial e apelativa com o nome de “Chapa Ação” (um trocadilho deplorável), e voltou ao CAECO.

A direita do Instituto de Economia da Unicamp (IE) não é diferente da direita de qualquer lugar do mundo. Estão sempre na luta por interesses individuais. No IE eles querem dar trote, fazer festa, arranjar um “bom” estágio e conseguir um diploma para, quem sabe, conseguir um emprego. Para eles isso é o passaporte para tentar se tornar um burguês (ou rico, se acharem que esse termo já está ultrapassado).

E não foi só isso que eles representaram no seu ano de gestão. Eles também representaram a perda de uma geração no IE, vide a falta de participação política dos ingressantes de 2008, e uma grande derrota no processo de reforma curricular, que vai nos custar mais 9 anos, até que se realize a próxima.

A partir desse ano, e em contato constante com os estudantes de economia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a partir do ENECO de 2007 em Campinas, fiz um diagnóstico das necessidades que estavam impostas e as possibilidades que estavam postas ao movimento estudantil do IE.

Observando a sequência de lutas e de vitórias que o movimento estudantil da UFSC estava conseguindo – como: a conquista do Centro Acadêmico Livre de Economia (CALE) e do DCE da UFSC; discutir um projeto de reforma curricular em pé de igualdade com os professores, seguido de muitas aprovações de suas reivindicações; organizar o maior ENECO de todos os 35 que já houveram; e mais recentemente de organizar e articular os calouros para boicotar as aulas de um professor que está processando um estudante do mestrado por escrever uma carta e possuir divergências políticas (ninguém entrou na sala de aula desse professor até agora, a primeira semana de aula. Imaginem o trabalho de recepção aos calouros que eles fizeram!) – percebi a necessidade da esquerda voltar ao CAECO.

Mas não só voltar ao CAECO. Voltar ao CAECO seria a forma de rearticular a esquerda dentro do instituto, que está desarticulada há tempo. Por isso também o Grupo de Estudos de América Latina, os Caecoxinhas, o apoio aos grupos de extensão da Unicamp, o mini-curso sobre América Latina, o Caecartola (e não “psybosque”), o esforço para que fossem 2 ônibus ao ENECO em Florianópolis (e não só um, ou pior, nenhum), etc.

Em muitas conversas com o Taufic, tanto em 2008 como em 2009, planejamos muitas coisas para o CAECO. Obviamente nem tudo foi realizado. Longe disso. Porém, acredito que a gestão de 2009 e os seus apoiadores conseguiram, juntos, criar alguma base para conseguirmos muitas realizações em 2010 (e a choppada desse ano foi um grande exemplo!). Muito disso também, graças a nossa sorte da geração que entrou em 2009 ter chegado ao instituto, não sei como, com um espírito de envolvimento político surpreendente.

Muitos sacrifícios pessoais foram feitos (como muitas notas baixas, alguns exames e poucas reprovações, menos lazer do que o desejado, noites não muito bem dormidas, etc.) e devem continuar sendo feitos. Não me arrependo por duas coisas: não tenho dúvida que um minuto de militância valeu muito mais do que muitas horas em salas de aula com muitos dos professores descompromissados que temos; e tenho certeza que esse esforço pode se refletir em muitas vitórias.

Acredito que para conseguirmos essa articulação devemos promover o debate. Como diz o Plininho: “o importante é o debate”. Mas não se iludam que o debate é o fim. O debate é o meio! Sem debate não há transformação que se sustente, mas o objetivo é a transformação. Dialeticamente, quanto mais debate, maior a necessidade de transformação, e quanto mais transformações, novas questões surgem para serem debatidas, surgindo assim uma relação dinâmica e constante.

Não se iludam também de que o objetivo do CAECO deva ser a “integração” dos estudantes do instituto (coisa que muita gente repete por ai) ou fazer com que as reuniões ordinárias tenham aumento de participação quantitativa. Isso pode até ser uma consequência, mas não pode ser o objetivo.

No Instituto de Economia da Unicamp está se formando quadros para o futuro. Esse deve ser o foco! Se os professores não nos ajudam, formemos quadros qualificados e realmente críticos, nós mesmos!

Vejam as eleições para presidente desse ano. A disputa dar-se-á (caso não haja nenhuma mudança repentina do que parece óbvio) entre duas pessoas que passaram um dia pelo Instituto de Economia da Unicamp e que não representam um projeto de transformação, nem de independência do Brasil e muito menos um projeto de esquerda, em pleno marco histórico de importantes mudanças em toda América Latina, graças a sua formação (digo isso sem medo porque a formação se dá por toda a vida. Não é porque a Dilma um dia tenha sido uma guerrilheira que ela ainda é uma grande revolucionária. Nem é pelo fato de, tanto ela quando o Serra, terem lido Marx na graduação e na pós-graduação que eles são marxistas).

Percebam a responsabilidade e os desafios que estão postos nesse momento para todos nós.

Não percamos mais tempo, nem o Centro Acadêmico!

 Theo Martins Lubliner – Economia Unicamp 2006

Estamos longe em distancia e tempo do Chile, mas o terremoto e suas conseqüências chegam até nós diariamente, seja por jornais impressos ou televisivos, por conversas, etc. Vale lembrar que notícias do Haiti também são freqüentes aqui. Diferente do que passa no Brasil, sentimos que a solidariedade é maior do que a pena, e que a luta pelo reconstrução dos dois países e pela garantia dos direitos de seus habitantes existe por aqui como uma forma de construção da Grande Nação LatinoAmericana – proposta por Bolívar.

Também por isso achamos necessária uma postagem sobre esse assunto, pois o que dá o maior sentido a nossa viagem é o sonho de uma Grande Pátria Socialista LatinoAmericana.

Encontramos um pedaço de um jornal num gramado da Universidade Central da Venezuela em que tem uma reportagem que aborda um tema pouco discutido e fundamental para explicar o que foi dito acima.

Fizemos uma tradução de algumas partes. O periódico parece se chamar Revolución a diário e o nome da matéria é Terremoto, Capitalismo e Socialismo do dia 02 de março de 2010 é de Rómulo Pardo Silva

A reposta nacional ao desastre tem sido a do sistema capitalista votado por 90% dos eleitores. É importante tomar o doloroso acontecimento como uma demonstração do que a burguesia pode fazer em casos como esse.

TUDO PRIVATIZADO

No país capitalista é percebida uma falta de autoridade que conduza sem vacilações a administração necessária. É compreensível. Os políticos da burguesia nos cargos do Estado compartem com os empresários as decisões. Esse é seu compromisso. Paralelamente o Estado carece de meios próprios para agir. Falta água potável para os afetados, a empresa é privada e não é dotada de meios para produzir energia para bombeá-la. Milhares de pessoas não tem onde comprar alimentos, os supermercados são privados e seus donos decidiram não abrí-los. As comunicações falharam, as empresas são particulares e não instalaram geradores a petróleo para emergências. Não se pode viajar nem desde, nem para as zonas afetadas, os donos dos ônibus não permitem, mesmo que haja estradas com problemas, mas disponíveis. Necessita-se reparar estradas, o ministro entrega aos concessionários essa missão…

____________________________________________________________________________________________

A ação do Estado chileno, ao colocar o exército nas ruas com o objetivo de aquietar a gente, evitando com violência a onda de revolta e desespero que toma a população atingida e que se manifesta também em forma de saques – completamente legítimos na nossa visão -, mostra que o que se defende é a propriedade privada e os privilégios de quem a detém e não os interesses da população – mesma ação vista no Haiti após o terremoto, onde pessoas que estavam saqueando foram assassinadas por soldados.

Não poderia haver um melhor lugar para se perceber tamanha contradição entre discurso daqueles que defenderam e defendem a iniciativa privada e as maravilhas do livre-mercado, e a realidade. É, nesse momento, no Chile, a sede de experimentações de políticas econômicas e sociais que se convencionou chamar de neoliberais pelo seu caráter, que a iniciativa privada mostra o quão ineficiente, escrota e injusta ela é, principalmente quando se trata de monopólio dos bens essenciais para a vida, como a água e a comida.

E a tragédia não para por ai. Infelizmente a perspectiva no Chile não é boa. Acaba de assumir a presidência Sebastian Piñera que é um dos empresários mais ricos do Chile e é declaradamente amante da iniciativa privada e do livre-mercado.

Vamos ver até quanto @s chilen@s aguentam de tragédias.

Theo e Daniel

de Caracas

Pode-se dizer que tudo começa no final do século XVI com a chegada dos espanhóis na Venezuela. Para resumir um pouco a história e chegarmos à 1989 pode-se dizer que até essa data a Venezuela foi uma colônia. Antes espanhola, depois estadounidense.

Foi em 1989, após anuncio do governo Carlos Andrés Perez de diversas reformas de cunho liberais, inspiradas no Consenso de Washington, como aumento de tarifas e preços, contenção de salários, privatizações, etc. que tudo começou a mudar.

Dizem que o estopim de tudo aconteceu quando trabalhadores que viviam em uma “cidade dormitório”, ou seja, somente dormiam na cidade e iam trabalhar todos os dias em Caracas, perceberam ao pegar a condução para o seu trabalho que seu salário não era mais suficiente nem mesmo para ir trabalhar. Exemplo máximo da exploração. Se os trabalhadores não tinham sequer dinheiro para transportar-se da sua casa até o seu trabalho, quanto mais para comprar comida.

Foi então, em 27 de fevereiro de 1989 que começou uma onda de saqueamentos de supermercados, mercados, lojas, ou seja, de todo o setor de distribuição de alimentos e de bens de consumo. Aparentemente uma movimentação descontrolada e desesperada da população, mas talvez a população estivesse consciente, organizada e cançada de ser explorada e fornecer petróleo a baixo custo para os EUA.

O governo não tardou então a colocar o exercito nas ruas para conter os saqueamentos e reestabelecer a “ordem”.

Começa então um massacre. Milhares de pessoas são assassinadas friamente em nome da defesa da propriedade privada.

Vídeos sobre o Caracaço:

http://www.youtube.com/watch?v=5poj-DBt40c&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=vqFQJgMExrc

Foi então que parte do exército, em meio a toda contradição entre os ensinamentos dados de que deveria defender a população e a sua pátria e ter que matá-la e destruí-la, resolveu pôr-se ao lado da população, entrar em confronto com a outra parte do exército que obedecia as ordens do atual governo de matar a população caso houvesse saques e tomar o poder. É aqui que surge a figura do atual presidente Hugo Chavez Frias, comandante desse exército de oposição.

Acusado de culpado pela tentativa de golpe, Chavez é preso em 1992. Chavez pede então para não haver mais derramamento de sangue, que os conflitos cessem e diz que se responsabiliza pelas consequências.

Os conflitos então cessam, mas a população, traumatizada, já não permitiria mais abusos da classe dominante.

O atual presidente então, Carlos Andrés Perez é derrubado acusado de corrupção em 1993 e assume Rafael Caldera que liberta Chavez em 1994.

Apoiado pela esmagadora maioria da população e considerado um heroi, Chavez ganha as eleições de 1998.

Começa então um processo de transformação que desagrada a elite venezuelana que tenta em 2002 um golpe em Chavez. Porém, já organizada, politizada e apropriadas do que se passava a nível nacional, a população foi as ruas e impediu que a velha elite voltasse ao poder.

Hoje, acredita-se estar vivendo um processo revolucionário na Venezuela e a população, consciente e na defesa desse processo de transformação, grita constantemente: “27 de febrero és prohibido olvidar!” e “no volveran!”.

Correspondentes
Theo e Daniel (geografia-UNESP) – diretamente de Caracas